8 de maio de 2012

Cautela com os remédios naturais

Cautela também com os naturais.
Remédios feitos a partir de plantas não fazem mal ou não têm efeitos colaterais. Puro mito. O calmante natural kava-kava, por exemplo, ganhou tarja vermelha depois de comprovado que seu uso poderia causar problemas no fígado.
Com o antidepressivo hipérico.
— também conhecido como erva-de-são-joão
— aconteceu o mesmo.

Diante da constatação de que é capaz de reduzir o efeito de anticoncepcionais e outras drogas, sua embalagem recebeu o carimbo vermelho. Pouca gente sabe disso e muitos usam esse tipo de medicamento livremente. Até porque normalmente os fitoterá picos são vendidos sem restrição. Os especialistas alertam que eles devem ser encarados como qualquer outro remédio e, portanto, precisam ser recomendados por um médico. “O fitoterápico também provoca efeitos colaterais” afirma o biomédico João Calixto, pesquisador de plantas medicinais da Universidade Federal de Santa Catarina.

20 de outubro de 2010

Imagens de espinho de vintem

Espinho de vintem:
É própria para ripas, carpintaria, marcenaria, remos, cabos de instrumentos agrícolas, ferramentas, cepas para tamancos e escovas, construção civil e carroçaria, servindo ainda para tintura-ria. Sua raiz é amarga e aromática, ligeiramente adstringente, tônica, febrífuga e estomáquica; a casca, também medicinal, é tônica, e por ser acre é recomendada para as dispepsias, flatu-lências e eólicas; o suco de suas folhas, quando aplicado tipicamente contra as dores dos ouvidos e dentes, parece dar resultados completamente satisfatórios. As qualidades medicinais são devidas à presença da “xantropicrita”, substância amarga, amarela e cristalina. Já era conhecida pelos índios que a chamavam Jubêbê (derivado de “yu-bêbê) que quer dizer “espinho que vôa, alusão às folhas que o vento leva e têm um espinho na página inferior”; o outro nome, Tembetaru, e suas corruptelas, seria derivado de “tembê-itar-yu”, que traduzido quer dizer: “pau com que se faz tembetá, contração de “tembê-itá”, que significa “pedra do beiço”, revelando que a madeira desta espécie era uma das preferidas por certas tribos para a feitura de seus instrumentos exóticos, principalmente os bodoques e arcos.

15 de agosto de 2009

Receita natural

Receita natural

A decoeção das folhas é purgativa e sudorífica. A tintura ou a alcoolatura é ministrada na dose de 4g por dia. Se se deseja apenas uma ação sudorífica, a decoeção surte bom resultado (40g de folhas secas num litro de água) até ficar reduzida a 2 terços, para ser usada em quatro ou cinco vezes.