17 de junho de 2010

Cipó-catinga

Cipó-catinga.
Como planta medicinal tem sido objeto de longos estudos e embora apenas se conheça a presença, no caule e nas folhas, de um alcalóide febrífugo, suas virtudes medicinais não são contestadas embora sejam exageradas por uns e depreciadas por outros; abunda nos jardins e quintais de todo o Brasil, mais para efeito medicinal do que ornamental, constituindo-se um recurso para combater as febres intermitentes, as tosses, a coqueluche, a gota, o reumatismo, a sífilis e até a hidrofobia, sendo ainda reputada útil contra o cólera-morbo e a mordedura de cobras e escorpiões. É, portanto, febrífuga, estimulante, tônica, espectorante e anti-helmíntica; entra na composição de vários xaropes peitorais nacionais e estrangeiros e foi experimentada na Europa como anti-reumática e febrífuga.

16 de junho de 2010

Cipó catinga

CIPÓ CATINGA (Mikania amara, Wild.).
Família das’ Compostas. Trepadeira de caule cilíndrico e ramos lenhosos, castanho-pubescentes, folhas pecioladas, opostas, largo-oval–triangulares, acuminadas, até lOcm de comprimento e 6cm de largura, peninervadas, coriáceas, glabras e luzidias na página superior e pubescentes na inferior; flores brancas dispostas em capítulos longo-pedunculados, 4-floros, corimboso-paniculados; brácteas foliáceas espessas, mais ou menos oblongas; fruto aquê-nio cilíndrico, glabro, de 4mm; papo composto de 40 cerdas avermelhadas.