10 de junho de 2011

O que são plantas medicinais

Procura demonstrar, até com resquícios poéticos, a importância e utilidade do estudo do reino vegetal neste ponto de conexão tangencial com a saúde que, em determinadas ocasiões, mais que uma tangente, é um verdadeiro diâmetro que atravessa a existência do homem, como um raio de alívio e de esperança.
Se realmente compreendêssemos esta importância, muito se poderia ganhar em favor da saúde pública, do saneamento de aldeias, cidades, nações e do mundo em geral porque, em muitas ocasiões, bastaria uma aplicação correta de plantas medicinais para controlar, por exemplo, um vírus infeccioso que, propagando-se para outros indivíduos saudáveis, pode ser – e de fato é — o foco do qual se irradia uma verdadeira epidemia que causa um sem-número de vítimas.
Quantas vezes poderia ser evitada uma manifestação de febre tifóide administrando-se, por exemplo, uma infusão de ruibarbo ou de folhas de sena, quando a doença ainda se encontra no estágio de incubação!

24 de outubro de 2010

Tudo sobre planta esponjeira

Planta esponjeira:
A casca é adstringente, tanífera a anti-rcumática, com emprego na indústria da tinturaria; as folhas, que passam por ser anti-odontálgicas e úteis nas afecções da bexiga, bem assim como na cura de chagas, secas e pulverizadas constituem, quando antes da floração, uma boa forragem que o gado procura, mas que algumas pessoas entendem conveniente evitar, porque tal forragem dá mau gosto à carne. Os frutos (vagens), conhecidos no comércio oriental pelo nome de Balibabulah ou balibulah, são ricos em tanino, exalam cheiro aliáceo idêntico ao da raiz e, além de servirem para o curtume e para tingir em preto, ainda a sua decocção ou o seu cosimento têm bom emprego como anti-disentéricos e úteis nas variadas doenças dos olhos, da garganta, das mucosas e da pele; a polpa que envolve as sementes, verde ou madura, é emoliente e empregada em em-plastros nos tumores e furúnculos, a fim de apressar-lhes a maturação; as sementes, julgadas excessivamente venenosas, foram antigamente utilizadas contra a hidrofobia e parece que, trituradas, dão um suco viscoso que serve também para soldar a louça quebrada. — Não obstante as diversas virtudes ou propriedades medicinais e industiais, que acabamos de assinalar, a verdade é que a única parte valiosa desta Mimosácea consiste nas suas flores, mais simpáticas do que belas, reputadas inseticidas e antispasmódicas, as quais perfumam as roupas e já entraram na composição de ungüentos contra as dores de cabeça e de infusões antidispépticas, culminando na água distilada, suavemente perfumada, a que se atribuíam outras propriedades, tais como estimulantes e afrodisíacas; estas flores, erradamente denominadas cássia flowers no comércio anglo-americano, são ricas em “farnesol” e fornecem 0,084% de óleo essencial ama-relo-esverdeado e viscoso (huille à la Cassie, dos franceses), de perfume igual ao da Violeta, porém mais intenso, de grande emprego na indústria de perfumaria da Europa, principalmente francesa, pois é a base de numerosa e talvez da maior quantidade de perfumes para lenços, assim como dos óleos fixos e pastas para toucador, ao mesmo tempo que é um dos elementos de prosperidade da Cote d’Azur, designadamente de Grasse, e também da lavoura da Argélia. As flores, mesmo secas, conservam o aroma e conseqüentemente mantêm sempre o seu elevado preço normal; um quilo de flores dá 3 a 4g de essência e uma planta adulta dá 500 a l.OOOg por safra, somente a França consome anualmente 150.000 quilos de flores, dos quais 20.000 vão da Argélia. Vê-se por esses números, num campo tão restrito, quão grande é o número de arbustos em plena produção.

30 de setembro de 2009

Seu uso

Seu uso

Além dessa virtude, é tônica, digestiva, excitante. Emprega-se em infusão, do mesmo modo que a melissa (erva-cidreira). Antigamente a calaminta era mais usada que hoje em dia tendo sido muito grande o seu prestígio na Idade Média, época em que se depunha muita confiança em suas virtudes.

12 de agosto de 2009

Tipos de folhas

Tipos de folhas

A madeira é empregada no fabrico de bolas de bilhar e de objetos de uso doméstico. A análise das suas folhas revelou que a planta contém um alcalóide, a buxina, uma substância cristalina, a buxeína e uma resina, a parabuxina.

7 de agosto de 2009

Butua

Butua

BUTUA

(Chondodendron platyphyllum Miers.). A butua é uma planta trepadeira que pertence à família das Vitáceas.
A planta foi diversamente classificada. Saint-Hilaire descreveu-a como Cocculos cinaracens e Barbosa Rodrigues como Cissampelos vitis.

1 de agosto de 2009

A planta

a planta

Da família das Sapotáceas. É muito usada na terapêutica, pois sua casca contém “glycyrrhizina”, .ácido rubínico, “monesina” e tanino (ácido monositânico) sendo seu extrato muito empregado como tônico, além de noderoso adstringente e hemostático

25 de julho de 2009

Bonina

Bonina

BONINA
(Mirabilis jalapa, L.). Erva originária do México, que se tornou planta doméstica no Brasil, a bonina pertence à família das Nictagináceas. Atinge a altura de 50 a lOOcm.

17 de julho de 2009

Beldroega

Beldroega

BELDROEGA
(Portulaca oleracea, L.). Pertence à família das Portulacáceas e é uma planta de pequeno porte, de caules suculentos e folhas glabras, lineares. Vegetal que contém elevada porcentagem de ácido salicílico, c cujas sementes combatem os vermes intestinais. É planta diuretica c estancadora de hemoptises.

16 de julho de 2009

As plantas medicinais

As plantas medicinais

É empregada contra a epilepsia, a afonia, o tétano, a tosse, asma e coqueluche, sendo útil também na afonia, na disenteria, na nevralgia, convulsões, hidrofobia, treinais, eólica hepática, reumatismo, gripe, resfriado, hernia estrangulada, estreitamento da uretra, escarlatina, metriflegmasia, pneumonia, panarício, hematese, palpitações do coração, etc.

15 de julho de 2009

As plantas medicinais

As plantas medicinais

O primeiro é usado sobretudo na oftalmologia, e os demais no tratamento de doenças nervosas. “Nenhuma planta conhecida, nem mesmo o ópio e a quina, tem mais aplicações na terapêutica; principalmente no tratamento do vasto grupo das neuroses” (Caminhoá).