16 de maio de 2009

Alfabaca. Outras descrições

alfavaca1

3) — (O. gratissimum L., O. fructescens Mill., O. petio-lare Lam) — Arbusto lenhoso, de ramos quadrangulares, pubes-centes quando jovens, com folhas pecioladas, ovais lanceola-das, crenado serradas, pubescentes em ambas as páginas, suas flores roxo-pálidos ou amarelo-esverdeadas, dispostas em racimos paniculados curtos, seu fruto em cápsula seca, também com 4 sementes. Suas folhas, como seus caules, são perfumados, estimulantes, carminativos, sudoríficos e diuréticos, muito usados contra a tosse e empregados especialmente em banhos contra as moléstias nervosas e as paralisias, sendo preferíveis depois de secos. A essência extraída da destilação das folhas com flores é anticefalálgica e febrífuga, tendo também muito uso no fabrico de licores e também como tempero. Suas sementes passam por antiblenorrágicas. Ê originária do Oriente e cultivada nos Estados do Maranhão, Goiás, Santa Catarina e Mato Grosso. Cultivada também em hortas. Chamam-na manjericão-cheiroso. Na Índia, seu nome é Máli-Tulshi.

4) — (O. nudicaule Bth.) — Erva de pequenas folhas opostas, ovais, em pequeno número e todas reunidas na base-suas flores são róseo-vermelhos, bracteadas, dispostas em racimos de 12 até 15cm de comprimento. Também medicinal, suas raízes são diuréticas, antispasmódicas e sudoríferas. Vegeta em São Paulo e no Rio Grande do Sul.