13 de maio de 2011

Verônica officinalis

VERÔNICA (Verônica officinalis, L.).
A verônica é uma planta da família das Escrofulariáceas, outrossim chamada verônica-oficinal, erva-dos-leprosos e, por ser usada como sucedânea do chá, chá-da-europa. Existem numerosas espécies dessa planta. A verônica-oficinal, entretanto, possui quase as mesmas propriedades que as suas congêneres. A maioria dos médicos modernos, salvo os homeopatas, não lhe reconhecem nenhuma virtude. O próprio Dr. Leclerc não lhe reconhece nenhum valor medicinal, chegando mesmo a afirmar que a tisana da planta não surte maior efeito do que se fosse pura e simples água quente. . . Garnier informar que o seu nome vem da comparação medieval de sua flor com a impressão da imagem de Cristo sobre o linho com que a Verônica enxugou e limpou as chagas e o suor do rosto do Divino Mestre, mas outros autores acham contestável essa explicação. A planta contém ácidos orgânicos (acético, málico, láctico, cítrico, tartárico), tanino, manitol, um açúcar, um óleo e uma essência. Segundo Garnier, a planta teria propriedades digestivas, vulnerárias, eficazes na falta de apetite, na atonia intestinal e nas fortes cãibras no estômago. Daria bons resultados, igualmente, nas bronquites, contra o catarro dos brônquios. Como aperitivo indica-se a fórmula seguinte: folhas de verônica, 60g; folhas de cássis (cássida, groselha), 15g; folhas de balsamita (hortelã-romana), 15g; raiz de alcaçuz moída, lOg. Usar uma colherada de sopa da mistura numa xícara de água fervente. Deixar em infusão durante 20 minutos (uma xícara sem açúcar, cinco minutos antes das principais refeições). Além da verônica-oficinal, as outras plantas verônicas utilizadas são a verônica de espiga e a verônica teucrieta.