20 de agosto de 2010

Cruá planta ornamental

É espécie única no gênero. Muito ornamental, sendo conhecida em vários países do Globo. Seus frutos exalam perfume comparado ao da maçã, porém, muito mais forte, chegando a embalsamar a atmosfera ao seu redor durante os longos meses em que eles se conservam. Daí, o seu aproveitamento para perfumar as roupas, as casas e até mesmo os altares das igrejas em vários países e nas festividades religiosas. Seu fruto pepônio oblongo, quase cilíndrico, mede até 40cm de comprimento e 8cm de diâmetro, de casca muito dura e resistente, amarelo-laranja, avermelhado ou roxo-escuro; carnoso, contendo polpa amarela envolvendo sementes elípticas, muito achatadas, medindo lcm mais ou menos. Esta planta sempre foi conhecida e referida nas obras antigas como Cruá. Recentemente parece que vem tomando o nome de Curuá, nome de várias palmeiras do norte do Brasil, e ainda Coroa, nome particular às Bromeliá-ceas. Porém, tudo não passa de confusão, pois que seu nome popular exato é mesmo Cruá.

17 de junho de 2010

Cipó-catinga

Cipó-catinga.
Como planta medicinal tem sido objeto de longos estudos e embora apenas se conheça a presença, no caule e nas folhas, de um alcalóide febrífugo, suas virtudes medicinais não são contestadas embora sejam exageradas por uns e depreciadas por outros; abunda nos jardins e quintais de todo o Brasil, mais para efeito medicinal do que ornamental, constituindo-se um recurso para combater as febres intermitentes, as tosses, a coqueluche, a gota, o reumatismo, a sífilis e até a hidrofobia, sendo ainda reputada útil contra o cólera-morbo e a mordedura de cobras e escorpiões. É, portanto, febrífuga, estimulante, tônica, espectorante e anti-helmíntica; entra na composição de vários xaropes peitorais nacionais e estrangeiros e foi experimentada na Europa como anti-reumática e febrífuga.

16 de junho de 2010

Cipó catinga

CIPÓ CATINGA (Mikania amara, Wild.).
Família das’ Compostas. Trepadeira de caule cilíndrico e ramos lenhosos, castanho-pubescentes, folhas pecioladas, opostas, largo-oval–triangulares, acuminadas, até lOcm de comprimento e 6cm de largura, peninervadas, coriáceas, glabras e luzidias na página superior e pubescentes na inferior; flores brancas dispostas em capítulos longo-pedunculados, 4-floros, corimboso-paniculados; brácteas foliáceas espessas, mais ou menos oblongas; fruto aquê-nio cilíndrico, glabro, de 4mm; papo composto de 40 cerdas avermelhadas.

31 de maio de 2010

Folhas Cinamomo

A casca exsuda em lágrimas alongadas uma goma amarelo-claro, luzidia, adesiva, quase totalmente solúvel em água sucedânea da goma-arábica. (Dyloch). As folhas, nas quais se verificou (assim como na casca e nas flores) a existência de ácido cianídrico, são adstringentes, amargas e fétidas, reputadas estomáquicas, febrífugas, emíticas, anti-histéricas, antidiarréicas, antilíticas, emenagogas, resolventes de tumores, úteis na cura das nevralgias, assim como na das eólicas do cavalos; sempre de uso perigoso, virtudes estas mais ou menos atribuídas à casca; consideram-se também insetífugas, bastando espalhá-las no chão para espantar as pulgas; colocados os ramos nas tulhas de milho, não somente preservam este grão do ataque do gorgulho (curculionídeo), como ainda enxotam o que já esteja nele; dispostos entre a roupa afugentam igualmente a traça; para idênticos fins reduzem-se as folhas a pó ou faz-se a sua decoeção para empregá-la em outras plantas como inseticidas e, também, sobre o couro cabeludo e a pele humanas para matar certos parasitas e, sobre a pele dos animais domésticos, para igual fim. Daqui deve ter partido a lembrança recente de propalar-se que o Cinarnomo, sob o nome inédito e supérfluo de jasmim-de-cachorro, tinha a particularidade, quando plantado junto dos formigueiros de saúva, de matar estas terríveis formigas mas infelizmente essa asseveração não está comprovada.

30 de maio de 2010

Cinamomo árvore

Através dos séculos esta árvore elegante e delicada, de belíssimas e abundantes flores, tem sido suspeitada de venenosa, em todas ou apenas em alguma de suas partes, sendo muito difícil, senão impossível, chegar a uma conclusão positiva em qualquer sentido, tão contraditórios são os depoimentos de que dispomos. Assim, a casca da raiz é considerada catártica, vomitiva e anti-helmíntica de grande energia, por esta razão incorporada à farmacopéia dos Estados Unidos, devendo notar-se que ainda atribuem-se-lhe propriedades tônicas e estimulantes que a tornariam sucedânea da quina verdadeira, igualmente útil no combate às febres intermitentes, à diarréia e a várias moléstias intestinais, ao reumatismo e ao próprio coleramorbus, de efeito benéfico contra a carne esponjosa e a gangrena; todas estas virtudes, aliás contestadas por alguns, resultariam do princípio ativo “mangrovin” (?), substância amarga, amarelada e resinosa, difícil de saponificar e que existe também no córtex do caule, associada à fitosterina, ao ácido azedaráquico, ao tanino e à sapopina, sendo devido à presença desta que, na China pode servir para tinguijar o peixe. Segundo outros, porém, as virtudes medicinais resultam do alcalóide “paraisina”, descoberto por Bocquelin, o qual é solúvel no éter de petróleo, na benzina e no clorofórmio.

29 de maio de 2010

Cinamomo origem

Cinamomo origem.
Desde muitos anos que, com grande clarividência, vem sendo aconselhada a cultura intensiva do Cinarnomo para explorar-se industrialmente a madeira que ele fornece (Dr. Navarro de Andrade), a qual, posto não seja de primeira qualidade é, entretanto, reconhecida em vários países (Java, Tonkin, etc), que o cultivam em larga escala como excelente para construção civil e até para revestimento das galerias de minas. Em verdade, a madeira é amarelo-brancacenta ou rósea, às vezes avermelhada, com círculos anuais castanhos que lhe dão grandes e lindos reflexos; flexível, bastante resistente, grão fino, fácil de trabalhar e oferecendo boa superfície ao en-vernizamento, própria para obras internas ou expostas, marche-taria, marcenaria, carroçaria, caixotaria, maças, instrumentos musicais e caixas de ressonância, fósforos, cabos de ferramentos e de instrumentos agrícolas e lenha; peso específico de 0,716 a 0,755. Suporta bem a umidade e não sofre o ataque de quaisquer termitas. O tronco, quando perfurado, dá um liqüido fer-mentescível que os Hindus consideram estomáquico.

28 de maio de 2010

Cinamomos

Cinamomos.
Tem sido aconselhada para o reflorestamento de terrenos ordinários; em alguns países como Costa Rica, Java, Madagascar, Reunião, é usada para sombrear os cafeciros; na Tripolitânia ensaiaram-na como fixadora de dunas. O seu desenvolvimento é tão grande que, embora ao cabo de um ano ainda não exceda de lm, já é aos três anos árvore perfeita e, aos cinco, mesmo em solos pobres, pode atingir a altura de 7m ou mais e o diâmerto de 50cm. Entretanto, sua cultura no Brasil tem sido feita apenas como espécie ornamental e de sombra, aliás do mais belo efeito, tanto para os parques e jardins quanto para a arborização de ruas (São Paulo e Belo Horizonte); contudo para São Paulo não é recomendável, devido à fragilidade dos seus ramos, que não resistem à ação dos ventos impetuosos.

23 de maio de 2010

Cidreira propriedades

Cidreira propriedades

Cidreira propriedades:
A cidra, que é usada para doces caseiros de grande consumo no Brasil, é também medicinal. A casca da árvore é usada contra febres intermitentes, as folhas contêm um óleo essencial perfumado e volátil; também da casca do fruto extrai-se, por distilação ou compressão, outro óleo essencial que é empregado na perfumaria e na confecção dos famosos doces; as sementes servem para uma preparação antisséptica e purgativa, muito conhecida como “cosimento de quina”. A parte mais importante desta planta é o próprio fruto, que contêm polpa dura pouco sucosa c sempre acídula, sendo que para o doce em compota ou em massa só a casca é aproveitada. Tais doces são consumidos no mundo inteiro.

8 de maio de 2010

Choupos

Choupos

Choupos.
No Brasil é pouco cultivada, exceto no Rio Grande do Sul, onde a cultivam e apreciam. Isso se deve talvez à proximidade da Argentina que a cultiva em grande escala, até mesmo para enfeites das ruas de Buenos Aires. É originária da Europa e de grande parte da Ásia. No Rio Grande do Sul chamam-na ála-mo. Existe uma praga que a consome e mata: chama-se Pem-phigus, sp., e uma ferrugem denominada Melampsora sp., que estendem sua ação às demais espécies. Na Argentina a praga chama-se Trametes Trogi Brk., praga terrível que causa a pip-tostelechia do Choupo branco, doença grave que vai curvando o tronco da árvore até o chão e assim acaba por matá-la.

1 de maio de 2010

Fotos chorão

Fotos chorão

Fotos chorão.
Fornece madeira vermelho-escura, de grão fino e compacta, muito dura, difícil de trabalhar e fixando mal os pregos, assim mesmo é utilizada, de modo geral e conforme os países, para construção civil, dormentes, paralelepípedos para calçamento de ruas, vigas, postes, pontes, rodas de carros, cavernas de navios e de pequenas embarcações, caixilhos de janelas, carvão e lenha do mais alto poder calorífero; peso específico de 0,907 a 1,013. Nas ilhas Fidji e dos Amigos é utilizada para a fabricação de instrumentos musicais de uso local; os indígenas do Taiti empregavam-na no passado para esculturar os seus ídolos e fazer suas armas de guerra.