12 de janeiro de 2011

Manjerona planta

Tratava-se então de, em primeiro lugar, convencê-lo a deixar-se cuidar e, em seguida, curá-lo do mal que o afligia. Ele conseguiu afinal que o irascível cliente se prestasse a cheirar aspirando água de manjerona. Quando Wallenstein aspirou a água, assim preparada, expeliu grande quantidade de muco e ficou curado. Em sinal de gratidão, o general enviou ao médico 200 escudos de ouro e o fez transportá-lo até a sua casa, na viatura de sua propriedade, atrelada a quatro cavalos brancos. . . Sob o ponto de vista medicinal, segundo vários autores, a manjerona, sob a forma de infusão, é um bom estimulante das secreções gástricas, e contém timol e carvacrol. É planta estomáquica, antispas-módica e vulnerária. Para uso externo, a manjerona é empregada sob a forma de infusão; extremamente, usa-se a sua essência no tratamento do reumatismo, com a seguinte fórmula: essência de manjerona, 5g; alcoolato de alecrim, 95g. Aplica-se em fricções sobre as partes doloridas. Informa-se ainda que Aristóteles usava de uma expressão proverbial para designar uma alma energia: “observe a manjerona”. Diz-se também que as tartarugas, quando devoram uma víbora, costumam comer manjerona como contraveneno e que, se acontece de não encontrarem essa planta, invariavelmente morrem sob os efeitos do veneno ingerido. A casca da manjerona (Origanum majorana, L.). também é utilizada.

11 de janeiro de 2011

Manjerona

MANJERONA (Origanum vulgare, L.). Família das Labiadas. A manjerona é uma planta- silvestre. Cresce à beira dos caminhos e nos terrenos incultos. Tem aspecto avermelhado, com flores cor de malva. É planta odorífera de valor medicinal. A história da manjerona é semelhante à do alecrim, repleta de lendas. Virgílio faz uma descrição em que aparece Vênus aconchegando Ascânio, filho de Creusa e Enéas, o qual se achava adormecido entre manjeronas nos bosques sagrados de Iduléia. A mitologia grega conta que um príncipe de Chipre, chamado Amaracus, era exímio na arte de fabricar perfumes. Tendo conseguido produzir um que excedia a todos os outros, foi acometido de uma embriaguez mortal. Os deuses então metamor-fosearam Amaracus numa planta de perfume suave, e assim nasceu a manjerona. O Dr. Verley-Leclerc relata em sua obra, L’ami des jardins, outra história, do gênero do conto de fadas, a respeito da manjerona. Conta ele que um médico chamado Fabrício fora chamado para tratar de um velho general austríaco de nome Wallenstein, que eram homem de temperamento difícil de atender, e que estava sofrendo de dores de cabeça .e não tinha paciência para suportar qualquer tratamento.