25 de agosto de 2010

CUIPEUNA

CUIPEUNA (Tibouchina mulabilis Cogn.).
Família das Melostamiáceas. É planta medicinal, sendo um arbusto ou árvore pequena, medindo até 12m de altura, com caule reto e ramos numerosos e compridos, raminhos denso-hirsutos revestidos de pele pardacenta, com folhas curto-pecioladas, opostas, oblongo–lanceolada, agudas, até lOcm de comprimento e 3 centímetros de largura, rígiras, inteiras, 3-5 nervadas, verde-escuro na página supeior, inflorescência terminal e axilar, quase sempre solitária, às vezes 2-3 flora, disposta no ápice dos raminhos, brác-teas florais livres, com flores de cálice 4-bracteado, campanu-lado, com corola ampla, de 10cm de diâmetro até mais, seu fruto é uma cápsula contendo muitas sementes. É uma belíssima árvore ornamental, muito cultivada nos parques e jardins e até mesmo na arborização de ruas, principalmente em São Paulo. Seus ramos não têm resistência aos ventos, floresce duas vezes por ano e sempre tão abundantemente que as folhas ficam ocultas em grande parte, sendo que as flores são brancas no primeiro dia,  brancacento-violáceas no imediato e roxo-escuras nos seguintes. Fornece madeira de inferior qualidade mas que serve para o feitio de caibros e obras internas, vigas, postes, esteios e morões localizados em lugares secos; seu peso específico é 0,660. A casca é adstringente e serve também para curtume, além de fornecer ainda matéria tintorial. O suco é muito eficiente para a lavagem das úlceras. Vegeta principalmente na serra do Mar, desde o Rio de Janeiro até Santa Catarina e ainda Minas Gerais. Conhecida também como flor-de-maio, jacatrão–de-capote, jaguatirão, pau-de-flor, flor-de-quaresma. Segundo Loefgren, o prefixo “cué” quer dizer “coisa passada”-, alusivo à mudança de cor das flores. Mais informacão em plantas ornamentais.