5 de agosto de 2010

Flor coroa imperial

Flor coroa imperial.
Ê originária da Pérsia ou da Trácia. Existem as variedades Aurora e Marechal Blu-cher, assim como outra de folhas listradas de verde e branco–amarelado. Existe na linguagem dos poetas uma lenda de que é o símbolo da majestade, da embriaguez e da glória. Tem bulbos com túnicas amareladas com muito mau cheiro; seu caule de 60-1 lOcm de altura, fistuloso, áspero, robusto, carnoso, nu, na parte superior, que é cilíndrica, avermelhada e com pune tuações brancas, revestido de folhas sésseis, oval-agudas, e com a base dilatada, quase verticiladas, aproximadas na parte interior. Seu fruto é uma cápsula com três ângulos obtusos e seis alas longitudinais, contendo sementes circuladas por uma ala membranosa.

4 de agosto de 2010

Coroa imperial

COROA IMPERIAL.
(Fmilharia imperialis, L.). Família das Liliáceas. Belíssima erva bulbosa e caulescente, muito ornamental e cultivadíssima nos jardins de todo o Brasil, com flores axilares, 2-10 ou mais, de perianto com 6 folíolos quase iguais, campanuladas, coniventes, muito grandes, com os segmentos nectaríferos na base, singelas ou dobradas, conforme a variedade cor de tijolo ou cor de laranja, amarelas ou vermelhas ou ainda, variegadas, dispostas em falsa umbela pêndula sob um verticilo terminal de folhas estreitas, lanceolado-agudas, parecendo uma coroa. É também medicinal. Seu suco que tem mau cheiro, e é amargo, é considerado emético, diurético, emo-liente e resolutivo. Seus bulbos crus são venenosos, porém, após seu cosimento, tornam-se comestíveis.