1 de agosto de 2010

Planta medicinais coral

CORAL.
Com o mesmo nome das famosas algas marinhas, existe uma planta denominada Coral e que se reparte em várias espécies, sendo que, dentre elas, existe uma essencialmente medicinal. Mais de uma. dezena de espécies são registradas mas a Manettia ignita, Schum., da família das Rubiáceas, é uma trepadeira arbustiva, alta, medindo até 8m de altura, com ramos cilíndricos, primeiro pubescentes, depois glabros, com folhas curto-pecioladas, opostas, cordiformes ou oval-lanceo-ladas, oblongas, agudas ou acuminadas, medindo até lOcm de comprimento e 45mm de largura, pubescentes nas duas páginas; suas flores são de um vermelho carmezim ou cor de fogo, muito belas e geralmente solitárias, raramente 2 ou 3, axilares, corola tubulosa de 4 ou 5cm. Seu fruto é uma cápsula linear-ovóide, de 10 ou 12mm, contendo sementes côncavo-convexas, pretas de 3mm de diâmetro. A casca da raiz, que possui propriedades medicinais, é emética e antigamente foi usada em grande escala como antidisentérica e contra a hidropisia, considerada substituta da ipecacuanha. Ainda assim, subdivide-se esta planta em outras variedades como a angustifolia, cordifolia (M. cordifolia, M., Guagnebina cordifolia, M.), glabra (M. glabra, Cham. e Schl.), incana e micans. É também planta ornamental muito cultivada nos jardins do Brasil e nas estufas da Europa. Floresce desde o Ceará até o Rio Grande do Sul, e também em Goiás e Minas Gerais. Tem ainda os nomes de poaia-da-praia, poejo–do-mato, poaia-do-rio; em São Paulo, o mesmo nome Coral é extensivo à M. Edwalli, Schum., também trepadeira de folhas elípticas e glabras e com grandes flores, tubulosas, vermelhas e também muito plantas ornamentais.