31 de julho de 2010

Planta medicinal coração de negro

Coração de negro:
As cascas contêm tanino e são próprias para curtume e entram na Medicina contra a diarréia, a disenteria e as hemorróidas. As folhas são muito indicadas na oftalmia e também como forra-geiras porque contêm azoto e constituintes minerais. As flores têm propriedades emolientes indicadas para erupções da pele e furúnculos. As sementes reduzidas a pó servem para combater as escrófulas e submetidas à prensa fornecem óleo fixo e sicativo, superior ao do linho, que serve para pintura e, na Índia, usam contra a lepra. A casca solta uma goma insolúvcl na água e da qual, no Tibete extraem tinta vermelha; o resíduo dessa extração é usado ainda como adesivo, à guisa de goma arábica e também entra na falsificação na indústria de tecidos de cor. É planta originária da África c muito cultivada no continente sul-americano. Sua forma é elegante e adapta-se a qualquer terreno, tendo rápido crescimento. Serve para arborização de parques, jardins e ruas. Sua madeira tem grande aplicação industrial. Segundo Dr. Barbosa Rodrigues esta planta foi introduzida no Brasil por D. João VI por ser, naquela época, reputada a melhor pólvora. É muito cultivada no Rio de Janeiro, São Paulo, Amazonas. É conhecida também como ébano-orien tal. Essa espécie chama-se cientificamente Albizzia lebbeck, Bth. Existem ainda mais três espécies, porém as demais não são conhecidas como medicinais. Suas flores são pediceladas, aro-máticas, brancacentas ou verdes amareladas, dispostas em capítulos globosos umbeliformes.

28 de julho de 2010

Coração de negro

CORAÇÃO DE NEGRO.
(Albizzia bebbeck, Bth.). Várias espécies existem desta planta, que pertencem, algumas, à família das Leguminosas c outras à divisão das Cesalpiniá-ceas. De qualquer maneira, é medicinal. Árvore de até 15m de altura, com casca clara, ramos novos escuros, pubescentes, folhas pecioladas, abrupto-2-pinadas, glabras ou puiverulentas, até 40cm de comprimento. Seu fruto é vagem chata de 10 a 33cm de comprimento e 4cm de largura. Fornece madeira de alburno branco e cerne escuro, quase preto, com manchas claras irregulares, grão fino, compacto, muito dura e forte, conhecida no comércio internacional e própria para vigas, esteios, peças de resistências, carroçaria, papel e lenha, carpintaria, marcenaria, obras de torno, melhor e mais escura quanto mais velha.