2 de julho de 2010

Cochlearia

Cochlearia.
(Cochlearia officinalis, L.). Família das Crucíferas. Planta anual, de raiz fusiforme, comprida, da gros-sura de um lápis, tem caule ramoso desde a base, cilíndrico e glabro, folhas radicais longo-pecioladas, cordiformes, obtusís-sima, côncavas, inteiras, vernicosas e verde-escuras, caulinares alternas, as inferiores pecioladas, quase reniformes e muito obtusas, inteiras, as superiores sésseis, alongadas, irregularmente denteadas; suas flores são brancas, pedunculadas, dispostas em racimos corimbiformes na extremidade dos ramos. Seu fruto é uma síliqua 2-locular contendo inúmeras sementes. É planta essencialmente medicinal. Suas folhas, além de medicinais, são comestíveis; destiladas, fornecem óleo acre e sulfuroso, mais pesado que a água e é tão enérgico que uma só gota basta para dar o sabor e o cheiro a 500 gramas de vinho, segundo Murrai; contem ainda sulfosinapisina e cochlcarina. É conhecida como poderoso antiscorbútico, sendo muito empregada em farmácia para tal fim. É também adstringente e dentrifício, excelente para combater as gengivites e as estomatites ulcerosas; é estimualnte, depurativo e muito eficaz contra os cálculos vesi-cais. Contém propriedades também para o combate ao reuma tismo. Antigamente, essa planta era muito freqüente nas hortas. Misturava-se facilmente com as mostardas, quando faziam usos medicinais caseiros. Ultimamente vem se tornando mais rara no Brasil. É planta originária da Europa.