3 de julho de 2011

Sintoma de angina

Processo curativo – Podemos dividilo em duas partes: meios para evitar o acesso e meios que devem ser utilizados durante o acesso, com o objetivo de aliviá-lo e fazê-lo durar o menor tempo possível.
Entre os primeiros devemos considerar, sobretudo, o regime ao qual o enfermo deve se submeter, evitando o fumo, o café e o álcool; o intestino deve ser mantido livre, evitando-se a prisão de ventre duradoura; banhos de mar ou, quando estes não forem possíveis, abluções com água Iria; ademais o paciente deve acostumar-se ao uso de roupas de baixo de flanela. Há os que recomendam caminhar na direção do vento e uma mudança para lugares mais elevados, embora não saibamos qual o fundamento destas recomendações.
Além das medidas preventivas assinaladas, deve-se tomar tônicos ferruginosos: vinho quinado ferruginoso, pílulas de Blanchar (uma antes de cada refeição), anti-espasmódicos, como a água de flores de laranjeira, quando o enfermo perceber a menor excitação nervosa.
Com relação aos meios que se empregam durante o ataque devem-se colocar, ao se notar os primeiros sintomas do acesso, sinapismos nas costas e banhar os pés com água sinapizada; deve-se também provocar o vômito com qualquer dos métodos conhecidos, e ao mesmo tempo aplicar no paciente uma lavagem intestinal de assa-fétida, que se prepara da seguinte maneira:
Numa xícara de infusão de malvaíscos dilui-se uma gema de ovo e uma colher de assa-fétida, mistura-se bem, e depois se aplica a lavagem.
Com estes meios é possível, em geral, evitar o acesso; entretanto, quando isto não se verifica, deve-se pedir sem demora a presença de um médico, porque os outros meios que podem ser utilizados para o tratamento desta enfermidade não se encontram ao alcance de todos.
Estas são as doenças cardíacas que podem ser prevenidas  tratadas  pelo próprio paciente ou pelas pessoas que o cercam. Não podemos tratar de outras nestas páginas porque, como o objetivo deste volume é o de referir-se a doenças que podem ser tratadas sem o auxílio imediato do médico, passaremos em seguida a outro tipo de enfermidade.

1 de julho de 2011

Angina do peito

Angina do peito.
Outra das enfermidades consideradas como procedentes dos nervos que cercam o coração e que, portanto, não têm uma lesão especialmente localizada no órgão, de maneira que os sintomas dependem exclusivamente da excitação produzida naqueles nervos. Aliás, este ponto ainda não está completamente esclarecido, pois há autores que acreditam na existência de uma lesão fixa no coração, que provocaria a enfermidade em questão.
Seja como for, a angina do peito é uma enfermidade que se manifesta sempre com os sintomas especificados a seguir.
Sintomas – Percebe-se um prurido e um comichão no nariz, que se torna dilacerante no esterno (o Osso que se encontra na parte central do peito, entre as costelas) e na região do coração, que logo se estende ao pescoço, ao braço esquerdo e, finalmente, se expande por todo o tórax. Em alguns casos esta dor se torna tão intensa que provoca graves transtornos respiratórios, apresentando de imediato sinais evidentes de asfixia iminente, com palidez do rosto e suor frio abundante. O enfermo cai num estado de profunda prostração, sente uma extrema angústia por causa da contração no peito, enquanto suas extremidades esfriam sensivelmente.
Depois de alguns minutos, o acesso diminui de intensidade e finalmente desaparece, deixando o paciente num mal–estar generalizado, que também desaparece em mais ou menos tempo, ou se torna crônico e indefinido.
No intervalo entre os acessos, o doente sente que sua saúde é normal, até boa, no máximo experimentando ligeira dificuldade para respirar, em geral acompanhada de certo adormecimento no braço esquerdo.
Esta enfermidade é essencialmente intermitente, e os intervalos entre os acessos podem ser variáveis, conforme as circunstâncias da vida do paciente.